Ciência e Saúde

Vitamina D e câncer de pele: o sol é mocinho ou vilão?

Os mesmos raios solares que são fundamentais para preservar a saúde do corpo também estão associados a uma série de danos, entre eles, o tão temido tumor de pele

Espalhe por ai:

Dr_Vinicius_sonheO câncer mais comum no Brasil e no mundo é o de pele que representa cerca de 33% de todos os tipos de tumores. Só no Brasil, estão estimados para o ano de 2020 176.930 novos casos, sendo 83.770 em homens e 93.160 em mulheres, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca). Mas como buscar a vitamina D no sol com segurança? Segundo o oncologista Vinícius Corrêa da Conceição, do Grupo SOnHe – Sasse Oncologia e Hematologia, devemos ter em mente que o equilíbrio e bom senso são necessários e fundamentais para tirarmos o melhor proveito dessa fonte inigualável de energia sem comprometer nossa saúde.

“O sol é fundamental em vários processos metabólicos do nosso organismo, como na ativação e produção do calcitriol (forma ativa da vitamina D), que além de regular a saúde óssea também influencia em algumas reações enzimáticas relacionadas a chamada homeostase ou equilíbrio do nosso corpo. No entanto, os mesmos raios solares que são fundamentais a manutenção da nossa saúde, também estão associados a uma série de danos na pele, como envelhecimento precoce, aparecimento de manchas e rugas e o tão temido câncer de pele”, explica o médico.

O fato é que precisamos de vitamina D ativa para regular diversas funções do organismo fundamentais da nossa saúde. Segundo o especialista, a exposição solar é necessária para a produção dessa vitamina tão importante.  “O problema está na exposição excessiva ao sol ao longo da vida que vai causando danos na pele com lesões no DNA da célula, o que aumenta a chance do aparecimento do câncer. E engana-se quem acha que a exposição ao sol durante os fins de semana, na piscina ou praia seja o único inimigo. O sol do dia a dia, quando saímos de casa para o trabalho, supermercado, shopping, também causa danos”, afirma.

Mas como equilibrar a necessidade de se expor ao sol evitando os danos nocivos que os raios UVA e UVB podem causar? As principais recomendações do oncologista é a exposição ao sol por 10 a 15 minutos ao dia para as pessoas de pele clara e de 30 a 40 minutos para as pessoas de pele negra (lembrando que as pessoas de pele negra têm mais dificuldade em produzir vitamina D). “Essa exposição deve ser antes das 9 horas da manhã ou após as 16 horas. O ideal é que seja sem o uso de protetor solar em alguma parte do corpo, idealmente nos braços ou pernas”, recomenda Dr. Vinícius.

Outra recomendação do médico é que a exposição seja direta, sem interposição de vidros ou janelas. “O vidro das portas ou janelas bloqueia em parte a passagem dos raios UVB, necessários à vitamina D. Mas, como vivemos em um país tropical com grande incidência de raios solares na maior parte do ano, as chances de deficiência de vitamina D são menores e, portanto, os cuidados com a pele para prevenção do câncer e do envelhecimento precoce devem ser lembrados”, afirma Dr. Vinícius.

Entretendo, de acordo com o médico, deve-se ter muito cuidado com os excessos de vitamina D, que podem causar sérios problemas no organismo.  “Na área médica, muito tem se discutido sobre a suplementação em excesso dessa vitamina que vem causando uma corrida muitas vezes desenfreada por níveis cada vez mais elevados no sangue nem sempre de forma adequada. E um dos danos, é calcificação dos rins, podendo levar, inclusive, a uma parada de seu funcionamento. Por isso, como tudo na vida, a palavra chave é equilíbrio. Devemos estar em contato com o sol e os raios UVA e UVB para manutenção de nossa saúde, mas esse contado deve se dar de forma regrada para que possamos tirar o melhor proveito daquilo que a natureza nos fornece gratuitamente evitando os excessos ou modismos”, finaliza o especialista.

*Vinícius Correa da Conceição é oncologista graduado pela Unicamp, visiting fellow no serviço de oncologia do Instituto Português de Oncologia (IPO). Médico assistente da Oncologia da Unicamp, com função docente junto aos graduandos da medicina e residentes da disciplina de oncologia. Como membro do Grupo SOnHe – Sasse Oncologia e Hematologia, Vinícius é oncologista do Instituto Radium de Campinas e do Hospital Santa Tereza. Membro titular da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO) e da Sociedade Europeia de Oncologia (ESMO).

Espalhe por ai:

Facebook Comments

CHARLES ARAUJO | BLOG TV
Redação/Ascom

Deixe uma resposta