Home Especiais Medicina Natural Pesquisadores da Ufla desenvolvem cicatrizante natural

Pesquisadores da Ufla desenvolvem cicatrizante natural

3 primeira leitura
1

Pesquisadores da Universidade Federal de Lavras (Ufla), no Sul de Minas, apostam em um produto natural para cicatrizar feridas, que também poderá se tornar um novo enxerto para a reparação de músculos do corpo humano. Os estudiosos criaram um hidrogel à base de compostos encontrados no ovo e em frutas.

A ideia está sendo desenvolvida há dois anos. Na composição do gel, substâncias como albumina, presente na clara do ovo, e pectina, obtida na laranja e maçã. Coordenador dos trabalho, o professor Juliano Oliveira, do Departamento de Engenharia da instituição, destaca que a matéria-prima é de baixo custo, atóxica e fácil de ser encontrada.

Com essas propriedades, o especialista frisa que o novo produto é biocompatível, ou seja, menos nocivo. “O que colabora para a baixa taxa de rejeição no organismo”.

A proposta, de acordo com a estudante de medicina Caroline de Souza Mendes, de 22 anos, também integrante da pesquisa, é que o produto seja um curativo que não precise ser removido. O benefício pode ser potencializado para pacientes com escaras, feridas que aparecem na pele de quem permanece por muito tempo acamado. “A ideia é que ele fique tempo suficiente para a cicatrização, sendo automaticamente dissolvido e absorvido”.

A universitária afirma que os estudos lançam mão de material macio e confortável, visando a diminuição da dor e do tempo de recuperação do doente. Aliado a esses objetivos, está a incorporação de medicamentos como anti-inflamatórios e antibióticos ao produto, que podem ser liberados de forma controlada no organismo.

Composição do hidrogel criado na Ufla tem albumina, presente na clara de ovo, e pectina, encontrada em frutas como laranja e maçã; proposta visa a tornar o produto um curativo natural que não precise ser removido

Próximos passos

A expectativa é a de que o hidrogel seja testado em animais em 2019. Já a liberação para a venda deve ocorrer em até cinco anos, conforme o professor Juliano Oliveira. Segundo ele, é preciso seguir normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). “Após verificar o produto em animais, fazer os testes em seres humanos, realizar os ajustes necessários para, depois, patentear e levar para o mercado”, explicou.

Os pesquisadores não descartam ampliar o uso do hidrogel. As possibilidades em diferentes aplicações serão avaliadas após os resultados dos primeiros testes.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Charles Araújo
Carregar mais por Medicina Natural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Veja Também

No vídeo, associações, IPA e Sec Agricultura sobre o Garantia Safra 2017/2018 de Santa Filomena-PE

Veja as discussões de forma democrática, entre representantes de Associações, IPA e Secret…