Home Multimídia Artigos 3 sinais de que a Intervenção Federal é apenas uma medida paliativa

3 sinais de que a Intervenção Federal é apenas uma medida paliativa

4 primeira leitura
1

Advogado especialista em Direito Político e Econômico explica o que pode ocorrer com a Intervenção Federal no RJ

ARTIGO – Assunto mais polêmico do país nos últimos dias, a Intervenção Federal na área de segurança pública do Rio de Janeiro, decretada pelo presidente Michel Temer, vem levantando diversas dúvidas e opiniões. Por conta da violência, o Estado do RJ está sob intervenção até o dia 31 de dezembro de 2018.

Na última terça-feira (27/02), o interventor federal na Segurança Pública no Estado do Rio de Janeiro, o general do Exército Walter Braga Netto, afirmou em uma coletiva de imprensa que o Rio de Janeiro é um laboratório para o Brasil.

O objetivo da intervenção federal é baixar o índice de criminalidade no Estado, elevar a sensação de segurança da população e aumentar a credibilidade da segurança pública do Estado. No entanto, o aumento no número de policiais e carros de polícia não garante que tais objetivos sejam alcançados.

Para Carlos Eduardo Rodrigues Bandeira, advogado especialista em Direito Penal, Mestre em Direito Político e Econômico, consultor em direito penal no Theon de Moraes Advocacia Empresarial, há 3 sinais de que a Intervenção Federal pode ser apenas uma medida paliativa.

A Intervenção Federal é parcial e temporária
A medida apresenta-se de forma parcial e temporária, já que atinge apenas a segurança pública e tem prazo para acabar. Na melhor das hipóteses, as tropas do exército vão conseguir afastar os altos índices de criminalidade por um período.

É possível que esse cenário dure até que o novo governo estadual fluminense assuma no mês de janeiro de 2019. “Mesmo que a intervenção apresente bons resultados no início, é provável que, depois deste período, a violência gradativamente recomece seu ciclo no estado fluminense”, aponta o advogado.

A intervenção federal espalha a violência para outros Estados
Outro ponto que não pode ser esquecido é que o Rio de Janeiro não é um Estado isolado do país. Por isso, mesmo que as forças militares federais sejam capazes de repelir o crime organizado no Estado, a violência se espalhará para os Estados circunvizinhos e até para Estados mais distantes.

Há locais, inclusive, que sofrem de problemas financeiros e políticos iguais ou maiores do que o Rio. “Devemos nos lembrar que há Estados que apresentam alto índice de violência e criminalidade, como é o caso do Ceará”, destaca Bandeira.

É provável que a intervenção no Rio de Janeiro pressuponha novas intervenções nesses locais. Desta forma, haverá a ampliação do fronte de atuação do exército brasileiro, aumentando também velhos problemas na segurança pública dos outros Estados.

O problema da violência crônica no país tende a continuar
O sistema de Intervenção Federal sozinho não será capaz de resolver o problema da violência crônica do país, ele apenas ameniza a questão. Segundo o advogado, a intervenção não deveria se dar somente em um estado membro, mas em toda a segurança pública do país.

“Isso precisaria ser feito por meio da modernização das forças de segurança, o que refletiria em melhores condições de trabalho dos profissionais da segurança pública, garantindo maior efetividade das ações”, conclui o especialista.

Carlos Eduardo Rodrigues Bandeira

Advogado especialista em Direito Penal, Mestre em Direito Político e Econômico, consultor em direito penal no Theon de Moraes Advocacia Empresarial (http://theondemoraes.com.br)

O advogado está à disposição para entrevistas por telefone, e-mail e pessoalmente. Favor entrar em contato respondendo a este e-mail ou pelo telefone abaixo.
(Vanessa Bisestre Peres)

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Charles Araújo
Carregar mais por Artigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Veja Também

Momento de eleição do novo presidente da Câmara que atual presidente decidiu anular

Foi realizada uma Sessão Extraordinária na Câmara de Vereadores de Santa Filomena-PE, na m…